terça-feira, 23 de abril de 2013

NUDEZ


  















Adentrávamos em uma casa escura e solitária.
Sentamos nas cadeiras que ainda continuavam na sala de estar
Olhávamo-nos como se soubéssemos o que nos levará ali.
Meu corpo sentia o seu calor
Dançamos... Mesmo sem música alguma
Em um movimento brusco, sentou novamente na cadeira.
Os seus olhos pediam minha nudez.
Fitando-o com a boca molhada e os olhos ardendo
Tirei cada peça do meu corpo
E completamente nua, joguei-me em seus braços.
E foram tantos toques
Beijos;
Carícias
Prazer
Que em um suspiro final...
Com o corpo queimando
Ele segurou firmemente as minhas costas
Beijou-me
Em um orgasmo de pleno prazer. 


Poesia escrita ao som da música: Le carnaval des animaux ( Camille Saint-Saëns)


segunda-feira, 22 de abril de 2013

EMBEBEDADA







Há um torpor que me toma
Talvez tenha sido aquela bebida de ontem
Ou simplesmente, o fato de estar embebedada de prazer.
Tentei pensar em você grudado em meu corpo
A pele branca
Sua boca bem desenhada...
Parecia estampada em meus seios
Vagarosamente, suas mãos abriam as minhas pernas.
Sentia sua barba arranhar meu pescoço
Enquanto minha respiração discreta e ofegante arrepiava suas costas
Você me olhando com um desejo feroz
E eu?! Com quem te devorava
E quando nossos corpos estavam molhados de suor...
Percebemos que por um instante
Nosso prazer nos faz eternos.

domingo, 14 de abril de 2013

DELEITE


















Totalmente despida
Esperei você a tarde inteira
Quando decidi pôr os trajes
Você surgiu
Ainda de costas, senti seu cheiro
Senti você aproximando
Sua boca beijando minhas costas
Provocando-me arrepios
Sabíamos exatamente o que nossos corpos queriam
Mas naquela tarde
Apenas nos tocamos
Não tínhamos pressa 
O chão frio acomodava nossos corpos
E durante todo esse tempo...
Nossas respirações eram nossa fonte de prazer
O êxtase aconteceu no momento...
Que nossos lábios se encontraram.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Aprisionada pelo desejo.







Quando penetrou em mim
Não foi nenhuma sensação corpórea.
Era mais parecido com prazer.
Beijos molhados
Nossas salivas já estavam misturadas.
O mundo lá fora em alta velocidade
E naquela sala,só nossos desvarios.
Caímos cansados e satisfeitos.
Seu cheiro no sofá
O meu, em seu corpo
Não sei afirmar quando tudo teve inicio
Acho que foi por uma troca de olhares.
Mas agora...
Que eu não encontre a saída de seu corpo.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

APODYOPSIS








Vagarosamente tirou blusa
Aproximou do meu corpo
E com as pontas dos dedos,tocou meus seios.
Baixou lentamente
Enquanto minha respiração ficava cada vez mais forte.
Sua língua entre minhas pernas
As mãos tocavam sua barba
Fechamos os olhos
O coração batendo na intensidade do prazer
Dormimos de tanto desejo
Amanheceu...
Abrimos os olhos
Começamos tudo novamente.