domingo, 14 de julho de 2013

Oportet Masturbationem





De tanto prazer
Fez de suas mãos, as dele
Para enganar seu desejo
Com a energia que ele a deixou
Tocou-se com a ponta dos dedos
E lentamente fechou os olhos
A imaginação o trouxe pra perto
Suas bocas, a fonte primária de todo prazer.
Desesperadamente por querer sentir
Seus dedos corporificaram aquele rapaz
Gemeu e gozou de tanto prazer
Acreditando que fosse ele
O pensamento fez dele real
E ele?! Não quis ser.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Nostálgico desejo.






Falar do prazer que senti
Esse vazio parece parar...
O pensamento, a vida.
Melancolia constante
Corroí o que restou de ontem
Será que foi ontem?
Talvez tenha corroído o tempo
Preciso  perder algo de você que ficou em mim
Tomar um banho e esquecer seu cheiro
Que agonia!
Por que não eu?!